domingo, 3 de julho de 2016

Chico Spinosa a estrela que brilhará na Infantes em 2017


INFANTES DO LINS CARNAVAL 2017

Enredo : Chico Spinosa em cena

Resumo Biográfico
 
Homenagem a Chico Spinosa por Gebran Smera
Pare um instante o que estiver fazendo.
Que tal desconectar-se por alguns minutos do mundo real e entrar na fascinante magia dos palcos?
Encontrar personagens em cenários utópicos onde a criatividade, completa a cena? Dá super certo!
É exatamente isso que faz um ser, ora jovem, ora velho que traz nas mãos uma ânfora cheia de imaginação, que, ao derramar no solo iluminado por refletores, floresce ideias e veste a cena.
Alguns o chamam de Aquariano, outros de Chiquinho ou apenas Chico. O fato é que ele habita nesse universo onde o possível é impossível, e por transitar muito à vontade nesses mundos paralelos, ele dedica uma sagrada devoção ao ofício de fazer arte.
Para acompanhá-lo não há limites. São viagens carregadas de emoções, tramas,  comédias e espetáculos grandiosos que nos fazem delirar!
Portanto não hesite, suba na garupa de um “Cavalo Amarelo” e segure-se, pois, aventuras não faltarão, dê um “Xeque Mate” na realidade e vamos mergulhar nos folhetins das novelas.
Tão louco é, que você pode ser aquele político lunático que ainda acha que engana alguém dizendo “Eu Prometo” e nada continua fazendo, ou se transformar em “Mulheres de Areia” sendo uma gêmea boa e uma gêmea má, conforme o giro da câmera. Doido, né?
Mas é assim que os visionários como ele olham para o futuro, debocham do passado e ignoram o presente. Às vezes tornam-se tão aéreos, que as pessoas os consideram loucos ou excêntricos, como alguns personagens de mundos absurdos que ele acaba adotando.
Por um tempo ele viveu num tal de “Planeta dos Homens” que tinha um macaco que falava e debochava dos homens. Uma coisa meio surtada, mas, com certa lógica. Tempos depois, conviveu com uma turma na “Escolinha do Professor Raimundo”, que não tem como contar, só vendo pra saber que galera era aquela, loucura era pouco para definir aquela classe.
Divertido também foi um reino que chamavam de “Viva o Gordo” onde uns personagens hilários te faziam dar boas gargalhadas, tipo um reizinho anão, uma Vovó Naná super atrapalhada e o Capitão Gay, um super-herói que tinha como fiel escudeiro, Carlos Sueli, outra louca!
É tudo muito confuso para quem não embarca com a alma, mas, se você relaxar tudo pode ser delirante ou emocionante!
Pisque os olhos e ele te transporta para um cenário árido do nordeste brasileiro e te conta a história de um homem que até hoje leva milhares de devotos em oblação aos seus pés. Ele é “Padre Cícero”, o símbolo da fé daquele povo.
É um mundo fascinante, cheio de cores, tradições e religiosidade. É de lá também que vem o Leão do Norte, na verdade é uma mulher, Elba, tem um canto rasgado e com a luminosidade das fogueiras que encanta os seus conterrâneos.
Mas cuidado, se você pestanejar e tornar a piscar o olho, sem perceber você cai no profano e tatua sua pele com a “Marca da Zorra” daquela que chamam de A Rainha do Rock, uma figura excêntrica de cabelos vermelhos que tem o poder de te hipnotizar deliciosamente com suas loucuras!
E não é só rock se ouve por esses mundos. Tem uma Cigarra, sempre de branco com um canto forte e emocionado que acende o verão, ilumina o ar e que toca fundo seu coração quando solta a voz. Ele já vestiu em cena o canto dessas Divas da nossa música.
Viver o mundo das fábulas é para quem tem a graça e a intimidade com o lúdico e transforma a solidariedade em um lindo espetáculo para que milhares de CRIANÇAS tenham ESPERANÇA. Faz um estádio se encantar para abrir os Jogos Olímpicos Militares, ou celebrar o jubileu de ouro da maior emissora de televisão desse país, que de alguma forma, conta sua história também.
É o verdadeiro mundo dele, é o que o alimenta. Quando pega um lápis, uma folha e uma aquarela, entra numa espécie de transe que pode durar horas ou dias, e aí, vem aqueles devaneios que colorem nossos olhos em universos que habitam sua mente criativa.
Foi em “Busca do Ouro” que se enfeitiçou com um universo onde verdadeiramente se encontrou, o Carnaval. A partir daí o limite da sua imaginação deixa de existir.
Declara seu amor à uma “Paulicéia Desvairada”, nos chama a atenção para a “Dança da Lua” e desperta o mágico existente em cada um de nós quando pronuncia “ABRAKADABRA”, e com essa magia, nos leva a navegar em um inesquecível mar de garrafas plásticas numa “Viagem da Pintada Encantada” com escala na terra do sol nascente para saudar com um “Banzai!” aqueles que a cem anos aqui chegaram.
Mas é na “Terra dos Papagaios” que essa figura de sorriso fácil, de coração acolhedor, ora jovem e ora velho com sua ânfora cheia de criatividade nos dá um sacode e nos traz de volta a realidade com um “Acorda Brasil, a Saída é ter Esperança”, e surpreende no meio de uma avenida ensurdecida pela bateria e reluzente pelo brilho dos cristais, pedindo que nunca nos esqueçamos de ser solidários e faz o “Carnaval da Doação”, conscientizando que é possível fazer a vida se prolongar quando outra termina, e que esse ato fraterno será para sempre, abençoado por um “Guerreiro na Fé”. Salve Chico!

Texto homenagem :  Gebran Smera